segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Moonlight serenade

Quantos bailes devem haver sido embalados por essa música? A verdade é que Glenn Miller foi um gênio que respondeu de modo um tanto inusitado aos problemas que ocorriam com sua banda, sempre fazendo execuções perfeitas e envolventes.

Não foi diferente com Moonlight serenade, sua composição mais primorosa. Originalmente com um trompete em solo, um acidente muda a rota que se tomaria: um tropeção no fio do microfone o acaba por derrubar o pedestal em que estava na campana do pistão, resultando num corte no lábio do instrumentista no dia anterior ao da gravação! Como não seria possível o restabelecimento do trompetista a tempo, foi adaptada a parte para que um clarinetista a tocasse. Leve e macia, mas clara e marcante, a participação do clarinete fez com que um instrumento até então tido por "figurante" passasse a ser um magnífico coadjuvante na orquestra. O resultado? Está aí embaixo, para quem quiser ouvir!

Assim, inaugurando a seção "Cafona, mas eu gosto", ele, o magnânimo, o categórico, o intrépido, o catecúmeno, Gleeeeeeeenn Miller!

Boa audição! Arreda a poltrona e mesa de centro, e tira a patroa pra dançar! Patroa, boa sorte para os joanetes!

Um comentário:

Lúcia Nikkel disse...

Maravilhoso! Até dancei com o maridão qdo vi seu post ontem. Mas só deu p´ra comentar hj, rsrsrsrs.
Bjão