terça-feira, 28 de outubro de 2008

Mau hábito + Confissões + Os Verdes Campos da Minha Terra

Insisto para que as pessoas que me amam leiam os meus escritos, desde quando eu era muito pequeno e meu cursivo era bem graúdo. Desde Tânia Argimon, minha mestra do início do Fundamental, até a Academia, sempre encontrei pessoas caridosas para lançarem os olhos às minhas linhas. Dessa vez, a vítima foi minha mãe: pedi que ela lesse os últimos textos e genitora, agora há pouco, falava comigo por MSN. Além de confessar seu gosto por Jacksons Five, contava sua situação de contraste musical com o gosto do meu pai. Vejamos:

Teresinha diz:
Lembrei de alguns admiradores que tive, sem o menor perfil pra me conquistar como namorada, que gostavam de Nelosn Gonçalves e Odair José.
Teresinha diz:
Acabei casando com um outro, que sempre foi fã de Nelson Gonçalves e Agnaldo Timóteo.
Samuel diz:
Hehehe
Teresinha diz:
E esse me trouxe para os verdes campos de sua terra.
Samuel diz:
Hehehe
Teresinha diz:
Nunca foi boêmio, mas sua terra o teve de regresso.
Teresinha diz:
E, pedindo sua nova inscrição, instalou-se com desejo de ficar pra sempre, até que a morte nos separe.
E eu, feito a noiva branca e radiante, sempre pronta a seguir o homem amado.
Samuel diz:
HAHAHAH!
Teresinha diz:
Alguém merece isso?
Samuel diz:
Tu!


Que bonito! E viva o amor, a paixão, o Agnaldo Timóteo e tudo o mais!

+ * + * +

Minha mãe fez uma miscelânea de músicas absolutamente habituais para mim. Só eu sei o que é dormir ouvindo “quando o treeeeem paraaaar na estaçãããããooo, eu sentireeeei no coraçããão a alegriiiiaaaa de cheegaaar”. Para o desespero do povo e inquietude geral da nação, recebamos, na seção Cafona, mas eu gosto!, ele, o motorista da Ângela Maria, o vereador de São Paulo, o amigo dos taxistas, o cantor da Hebe Camargo, entoando Os Verdes Campos da Minha Terra, o cabriocárico, o estrogonófico, o dióptrico Agnaldo Timóteo!

Bom dia e boa sorte!

Um comentário:

Lúcia Nikkel disse...

pipipipipipipipi
essa extrapolou o marcador de cafonice, kkkkkkkkkkkk