sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

O Caderno

Sem exagero, esse é um dos mais belos poemas a um mero objeto. Certa vez, li algo que dizia que algo poderia ser ou não valioso, dependendo apenas das mãos que o empunhassem. Um caderno, nas mãos do Toquinho, é uma linda música, que não toca mais por aí, mas que comove a todo ouvinte arguto. Segundo esse padrão, é Cafona, mas eu gosto!

4 comentários:

teresinha disse...

Quem já não se emocionou ao manusear o velho e bom caderno escolar? A mãe se enternece com os primeiros escritos do seu rebento. O adulto revive cenas inesquecíveis ao folheá-lo. A mulher ao rever o nome do pretendido dentro dum coração desenhado na contracapa. O conforto que trazem as frases bondosas de colegas que se tornam "amigos para sempre". Que tesouro pode ser um simples caderno! Centenas de vezes deixamos de jogá-lo fora porque ele, tão singelo e surrado, encerra um pedaço da nossa própria vida. Gosto muito do Toquinho, da música e, principalmente, do caderno. Beijo, filhooo!

Joanna disse...

Eu choro de ouvir essa música! Justamente por essa emoção que sua mãe descreveu.
Só de lembrar da minha infância fico toda emotiva. E perceber que muita coisa do que ele escreve acontece com todo mundo.
Amo Toquinho, sou sinceramente grata a todas essas maravilhas que a inteligência e a inspiração dele nos proporcionam!
Beijos

Lúcia disse...

Sami, acho que se o Toquinho fizer uma música/poema sobre o pó da estante vai ficar lindo! kkkkk
Bom, vc sabe que eu não bato bem, né? Eu amoooo cadernos! Tenho vários, fico estipulando prá quê vou usar cada um, mas gosto tanto deles novinhos também... rsrsrsrs
Vc recebeu meu email?
Bjins

Jairo disse...

A música do Toquinho lembra a infância e coisas boas. O escritor Cristóvão Tezza usa somente cadernos para escrever seus livros. Agora pretende aprender a escrever via Word.
Abraços