sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Ctrl + Z

Como seria bom se tudo na vida pudesse ter com Ctrl + Z. Uma tatuagem que se enjoa, um namoro que termina mal, a quebra de um bibelô, seria muito conveniente se conseguíssemos tornar ao status quo ante. Mas não dá.

 

Acho que uma das piores coisas nesse sentido é um mau lance de xadrez. De repente, zás!, a rainha vai passear na caixinha do outro adversário. Tu vais mexer na peça, não mexe, esbarra na outra e ouve o brado "peça tocada, peça jogada" com a fúria lancinante de um rival que, horas depois, estará dividindo coca-cola contigo. Jogo é jogo, mas xadrez é guerra.

 

Mas suponhamos que dê para despistar a furiosa regra da vida e voltar a jogada, como um grande amigo e eu costumamos jogar. A cavalaria retorna, a artilharia deixa de avançar, mas o jogo avançou e o que era, não é mais; o que restou foi um simulacro de regresso temporal, sem perda, sem derrota, sem suplício, sem tempero. Tentar rebobinar a fita (sou dessa geração) faz voltar o filme, mas não faz voltar o tempo da exibição. Pimenta demais pode ferir a língua, mas a falta dela pode deixar insípido o que nos cabe degustar.

 

Se o banho não é o mesmo num rio que não é o mesmo e quem se banha também não é mais o mesmo, o que nos faz ter essa pretensão ou essa ânsia? Coisas que eu perguntarei ao Pai do Céu quando eu lá chegar. Por enquanto, vou pegando o trem e avançando um peão mais uma casa no tabuleiro da vida, na esperança de deixar em xeque o destino feroz, que contra todos joga com as peças brancas.

4 comentários:

Cris Andersen disse...

É Sami, seria muito mais fácil se pudéssemos refazer algumas jogadas da nossa vida. Porém, muito mais do que voltar e reconstruir, meu maior desejo é olhar para tras e entender a reação em cadeia de sucessão de fatos. Pois assim, da próxima vez que alguma decisão precisar ser tomada, terei conhecimento para decidir o que tende a ser melhor.

Pena que quando adquirimos toda essa sapiência nem sempre teremos a oportunidade de usá-la.

lioness disse...

Fabulosa reflexão. A vida é um tempo contado que não se recupera jamais, depois de investido. Não perdemos tempo jamais. Investimos bem ou mal. O tempo não pára.

Lúcia disse...

Eu queria fazer um ctrl+Z!!!
ia ser o must ter uma oportunidade dessas!

Teresinha disse...

Pois é, Sami. A vida não só não tem Ctrl + Z, como não se pode deletar nenhum texto construído. E a vida e o tempo se confundem, se misturam, se fundem. Cada dia vivido é único. Nunca teve igual antes, nem terá depois. O tempo que gastarmos mal, será nossa própria existência sobre a terra desperdiçada. E como já canta Lulú Santos, "Nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia". Só que é muito mais do que poético. Beijo, filhooo!