quarta-feira, 10 de junho de 2009

Geração Xuxa

(Juremir Machado da Silva)

Passei anos procurando um culpado para o miolo mole dos brasileiros das últimas gerações. Inclusive o meu. Sempre soube que o Rio Grande do Sul havia contribuído para transformar o Brasil num celeiro de figurinhas patéticas ou simplesmente bobinhas. Cheguei a imaginar que o responsável era exclusivamente o Louro José. Essa hipótese é boa, mas não dá conta do que acontece com quem nasceu antes do aparecimento do filosófico papagaio da Ana Maria Brega. Sem contar que Louro José não é gaúcho. Outro dia, lendo a Folha de S. Paulo, numa viagem de Belo Horizonte para Porto Alegre, tive a confirmação do que eu já suspeitava: a culpa é da Xuxa. Ninguém fez mais pela 'imbecilização' dos nossos 'baixinhos' do que ela.

O problema é simples: uma vez baixinho, acreditem, sempre baixinho. Até o cérebro encolhe. Xuxa sempre se apresentou como uma rainha. A mídia é monarquista. Mas, sinto muito se vou decepcionar alguns com esta revelação, ela é uma bruxa. A Xuxa é a Madame Mim. Ela acaba de inventar um menino príncipe para contracenar com sua filha, Sasha, no filme 'O Mistério da Feiurinha', que será dirigido pela ex-cineasta Tizuka Yamazaki. Sim, eu implico com a Xuxa. Acho que ela não tinha direito de chamar a filha de Sasha. A pobre menina rica vai passar a vida mascando o próprio nome. Além disso, ela quer transformar a guria em personagem de um Harry Potter tupiniquim. Qual o problema disso? Bem pensado, nenhum. Agora, se o Ministério Público mete o nariz no trabalho da menina Maísa, que é inteligente e faz papel de inteligente no programa do Sílvio Santos, devia também meter o bedelho nas atividades nocivas da bruxa Xuxa.

Faz, sei lá, algumas décadas que ela erotiza precocemente as crianças. Até aí, alguém pode dizer, nada de novo no front. As novelas fazem sacanagem ainda maior. O problema mesmo é que Xuxa transforma as crianças em chatas. Sempre com aquele ar asséptico, com aquele falso moralismo estampado no rosto burilado numa agência de celebridades, com aquele jeito de sala de espera de dentista. É isso: a Xuxa é Chata. É o meu melhor slogan. Ela aponta o seu dedo mágico e a criança vira um chatinho na hora. Ainda não se descobriu o antídoto. Sim, eu detesto a Xuxa. Ela é a grande contribuição do Rio Grande do Sul para a cultura nacional depois da ditadura militar. É uma questão de imaginário patriótico. Os baixinhos têm a Xuxa. Os altinhos têm o Louro José. Os baixinhos têm o Harry Potter. Os altinhos têm o Paulo Coelho. Precisamos realmente lutar contra as drogas.

Madame Mim não enganava ninguém. Era bruxa e se apresentava como bruxa. Honestamente. Representava o mal como referência para o bem. A Xuxa é mais perigosa. Escapou de uma festa de Halloween. Faz de conta que é o bem. Bruxa a gente identifica pelos olhos. A Xuxa é o Lobo Mau disfarçado de vovozinha. Por que esta fúria toda contra a Xuxa? Ela é como aula de moral e cívica atrasada: uma tortura. Susan Boyle é mais talentosa e bonita. Repitam comigo: a Xuxa é chata e xoxa. Xô!

8 comentários:

Anônimo disse...

Nem posso complementar...
Cresci, de 1984 a 1993 num sítio, sem eletricidade (e tv) em casa. Me safei.
Ainda hoje não tenho tv em casa (e sei lá quantas tive de recusar de presente). Tem gente que tem pena de mim. Eu é que tenho pena destes, que são escravos e não sabem.
Li uma frase legal hoje de manhã:

"Pedi pra minha esposa que tirasse o fio da tomada se eu entrasse em estado vegetativo. Ela arrancou o cabo da TV." (autor desconhecido)

Tenho tempo pra livros (de finanças, ações e investimentos) que não teria se eu tivesse TV em casa.

Captain Forr

Chris disse...

Nuss!!! A revolta esta sobre a mesa! hahahaha
Poxa, mas do sul sai tbm tanta gente bacana! Na verdade o Brasil tem gente boa em todo lugar e gente tranqueira em toda parte!
A Xuxa "tem"/teve, nao sei como, um potencial de hipnotizar a todos, apesar de ser uma pessoa sem opiniao, afinal sempre a manupularam. Ela cantava o que pediam, se vestiam como os outros queriam, olhava para onde a indicavam. Hoje que ela meio que tem poder na Globo, nao faz nada que atraia as criancas. Eu nem a culpo, nem a valorizo. Para mim ela nao fede e nem cheira. Mas confesso que eu fui uma crianca que vi de tudo. Sitio do pica pua, Tv Cultura, castelo Ra tim bum, filmes como Kika do Almodovar e a t a Xuxa tbm, mas so a assistia, lembro muito bem, por conta dos desenhos animados. Enfim, mas realmente vc disse bem quanto a: "uma vez baixinho, acreditem, sempre baixinho"
As coisas que a gente aprende e gostam qdo crianca marcam para a vida toda.

bjks

Lúcia disse...

Depois que a gente cresce, entende q a xuxa não tem graça. Mas qual é a criança q não gosta de xuxa? Até parece feitiço!!

Deeh! * disse...

eu desde pequena nunca gostei dela, lembro que minha mãe sempre comprava umas coisas dela para mim, eu morria de medo, tinha uma boneca do meu tamanho, eu joguei fora. concordo com vc, a xuxa é chata, sem opinião, indesejavel de ser vista e ouvida, sem um pingo de criatividade (a maioria das musicas que ela lançou nesse Xuxa só para baixinhos são plagiadas do barney, Hi-5...). Não deixo meus filhos assitirem.

Ingrid Scherdien disse...

Acho que do Sul sai muita coisa e gente boa sim, mas não posso discordar da opinião do autor do texto sobre a Xuxa.
Ela trata as pessoas como se fossem retardadas e desde criança nunca gostei dela.

MDBrauch disse...

Epa! Que falem o que quiserem da Xuxa, mas não do Rio Grande.

Coisas muito piores saem de outros lugares. Paulo Coelho é carioca.

teresinha disse...

Dei uma boa gargalhada ao ler o comentário do Martin. Gente finíssima esse "guri", sabe das coisas. E mais, tem de ser macho pra dizer o que ele disse. Paulo Coelho é um ídolo, não meu, faço questão de frisar. Quanto a Xuxa, me sinto até uma mulher inteligente porque nenhum dos meus filhos jamais gostou do seu inútil programa. Beijo, filhooo!

Jacinto disse...

Graças a Deus, ainda existem pessoas que aguentam a tortura dos meios de comunicação de massa, sem se envergar. Fiquei felicíssimo ao ver o seu artigo. Eu comungo da mesma opinião.