quarta-feira, 21 de julho de 2010

A saga dos convites / a morada conjugal / e o Mestrado?

Saímos, Hadassa e eu, para vermos convites no sábado próximo passado. Fomos a duas agências, a Fina Arte e a Paper Place no turno da manhã.

Chegamos um pouco atrasados na Fina Arte, mas Andréa, a moça que nos atendeu, nos atendeu com toda a cordialidade e bom humor. Não foi uma vendedora clássica, mas praticamente uma amiga, dando dicas, mostrando condições, rindo conosco. Foi muito bom, valeu a pena passar lá. Não achamos o modelo que Hadassa havia escolhido, mas saímos satisfeitos, com alguns modelos em vista. O ponto era de fácil acesso e no pulmão dos negócios em POA. Não nos demos conta pela numeração, mas chegando lá, vimos que é no mesmo prédio em que fica a sala do meu sogro.

Já na Paper Place, chegamos rigorosamente no horário. O local do escritório é longe de ser privilegiado, a despeito de ser no Centro de Porto Alegre. Fomos atendidos por Marcela, que devia estar numa TPM de rachar, pois demonstrava um mau humor do caramba. Não nos tratou mal, mas não tratou bem. Coisas da arte da venda, pois vender é uma arte. Enfim, disse “ó, tão aí” e ficou mexendo no PC. Olhamos alguns, levamos orçamentos. Além de não preferirmos os modelos, os preços são mais altos – e há um que parece a estampa do banheiro do hotel que fico quando venho à aula do Mestrado.

Segunda-feira, recebo da patroa a notícia de um apartamento numa localização que nos agrada e que se encontra em nossas condições atuais. Gostei da ideia, afinal, o nosso, que compramos em 2007 e até agora não está pronto, já está no Judiciário para ter o contrato anulado. Coisas da vida. De mais a mais, precisamos de uma morada comum – se é pra ficarmos um na casa do outro, ficamos de namorados, né? Ontem à noite, falamo-nos e ela disse que vai encaminhar a papelada. Oremos, portanto, para que tudo se encaminhe como Deus entender melhor para nós.

Estou ficando, nessa semana, até quinta-feira fora em Santo Ângelo, pois tenho a prova de proficiência para o Mestrado. Se eu conseguir me livrar dessa agora, melhor para mim. Confesso, não estudei e não terei tempo para isso. Procrastinei muitas tarefas (algumas, por necessidade, outras, por falta de paciência – mas isso é outro capítulo) e aproveitarei para tocá-las aqui. Confesso que me sinto o Mário Quintana, enfurnado num quarto de hotel escrevendo sem parar. C’est La vie. Tenho, na ordem do dia, três textos para escrever. É [quase] óbvio que não consiga. Se conseguir, melhor. Conto depois a saga. O lado bom: poucas distrações e muita concentração; o lado ruim: longe da minha casa, dos meus livros, da minha Morena e das coisas ao quais sei lidar. Como sou um pouco aventureiro e flexível quanto às circunstâncias, então é só da Morena e dos livros, mesmo.

Até mais!

4 comentários:

Lúcia disse...

Deus certo o ap? Espero q sim! Bjs

Ingrid Scherdien disse...

Que bacana essa saga!
Você vai ver que a sensação será ótima quando tudo passar.

Abraços!

Joanna disse...

Sami, que legal!
Parabéns a vcs pela decisão! Fico sempre feliz quando vejo que alguém vai casar! Eu recomendo tanto!
Estou tentando voltar a blogar... agora o Zig tá dando uma folguinha!
ai... Felicidades a vcs!

Claudia e Felipe disse...

Não recomendo a Paper Place a ninguém, serviço péssimo, atreasaram meus convites 10 dias, entregaram só a metade, e a outra metade, uma semana depois, veio sem o auto relevo. Também fomos atendidos pela Marcela, mas na hora que ligamos para reclamar do atraso ela se recusou a falar conosco, e nunca retornou a ligação.