sábado, 1 de março de 2008

Essa tal isonomia...!


Já pensei seriamente em ser policial militar (brigadiano, como se diz no Rio Grande do Sul). Admito, não sonhei em participar de policiamento ostensivo, mas em ser oficial, usar paletó, sei lá. Acho interessante o trabalho desses homens que, com garra e dedicação (e propina, às vezes), defendem a população com bravura e destemor (e propina, às vezes).

Ontem, saí de casa à noite, em direção ao centro da capital dos gaúchos. No meio do caminho trilhado à pé, ouço a ordem “ô, magrão”. Fiz-me de desentendido: estava de mochila às costas (com meu bom e velho laptop), e não gostaria de vê-lo às mãos de um amigo do alheio. Como houve repetição da invocação, lancei olhar de soslaio de onde me chamavam: um carro, com quatro homens; em seguida, vi o letreiro “POE” na porta. “Mão para cima!” foi o imperativo; a inércia, minha reação. Não é muito comum para mim ser abordado pela polícia (embora já haja acontecido umas vezes, umas com a tradicional mochila).

Durante revista, creio que notaram minha “boa índole” e questionaram de onde vinha, e, incontinenti, dei minhas referências. Mostrei documentação: a Carteira da OAB! Fui chamado de Doutor, explicaram-me os procedimentos (que, particularmente, entendo e consinto; quem não deve, não teme) e me deram carona até meu destino!

Será que eles me tratariam assim se eu tivesse outro tom de pele ou estivesse mal vestido? Não sei, mas começo a desconfiar que todos somos iguais apenas perante a lei...

Saúde, força e união!

Um comentário:

Fran disse...

como prometido, aqui está o meu novo endereço:
http://www.universoladybug.blogspot.com
BJU PRA TI